Corona

Tudo sobre o Coronavírus (COVID-19)

O Coronavírus surgiu na Europa e no resto do mundo e o impacto de uma pandemia nunca foi tão grande! Este vírus, responsável pela doença COVID-19, provoca muitas vítimas. Mais de 200.000 pessoas em todo o mundo e num curto espaço de tempo já adoeceram devido ao Coronavírus, e algumas delas não sobreviveram.  

O maior problema do vírus Corona é que os seus sintomas são muito semelhantes a uma gripe "comum", pois causa febre e problemas nas vias respiratórias. Isto torna difícil identificar quem está infetado ou não, permitindo que o vírus se espalhe mais facilmente.  

Esta incerteza levanta muitas questões e causa ansiedade em muitas pessoas. Nesta página, poderá ler mais informações sobre o Coronavírus: como reconhecer a doença, que medicamentos pode tomar e o que pode fazer para evitar o vírus e aliviar os sintomas. 

Qual é a origem do Coronavírus? 

Tal como os vírus SARS e MERS, o novo vírus pertence ao grupo dos Coronavírus: uma família de vírus que é reconhecida ao microscópio pela sua estrutura em forma de coroa. Uma vez que se trata de uma nova variante, o comportamento deste vírus ainda não é completamente claro, embora saibamos que quem o contrai adoecer gravemente. O vírus entra no organismo e pode multiplicar-se aí, provocando diversos sintomas sobretudo no trato respiratório, resultando por vezes em pneumonia. 

Suspeita-se que o vírus seja de origem animal. A fonte de infeção da COVID-19 teve origem na China, um país onde se vendem animais exóticos (como morcegos) em mercados. Algumas destas espécies animais podem transmitir vírus aos seres humanos. Foi esse o caso dos vírus SARS e MERS e, provavelmente, é essa também a causa da COVID-19. O vírus é altamente contagioso entre seres humanos. Um infetado com Coronavírus infeta em média 2 a 3 pessoas. O vírus transmite-se sobretudo através de gotículas de saliva libertadas quando uma pessoa infetada com o vírus tosse. 

Como é possível reconhecer o vírus? 

Uma pessoa infetada com Coronavírus nem sempre fica doente. Muitas pessoas apresentam apenas sintomas ligeiros, como por exemplo uma constipação leve. Outras pessoas têm sintomas de gripe. A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou uma lista de sintomas do Coronavírus com base nos sintomas de pacientes chineses.  

Sintomas mais comuns: 

  • Febre; 
  • Tosse seca; 
  • Cansaço; 
  • Produção de muco; 
  • Constrição pulmonar; 
  • Dores de garganta, dores de cabeça, dores musculares. 

Alguns pacientes apresentavam também sintomas como náuseas, congestão nasal, diarreia ou tosse com sangue. 

O Coronavírus é mortal? 

Na grande maioria dos casos, as queixas desaparecem por si só, bastando ao paciente ficar alguns dias de cama. No entanto, algumas pessoas apresentam sintomas graves e necessitam de ser hospitalizadas. Nestes casos, sofrem de pneumonia grave, o que provoca grande constrição pulmonar. Muitas vezes, estas pessoas têm uma doença subjacente ou tratam-se de idosos. 

Apenas uma percentagem muito pequena dos pacientes gravemente doentes acaba por falecer devido aos efeitos do Coronavírus, sendo isto mais provável em idosos ou em pessoas com outros problemas de saúde (graves). Assim, e no caso de pessoas jovens e saudáveis, a possibilidade de morte devido ao Coronavírus é muito reduzida. 

Quando existe maior possibilidade de contrair o vírus? 

As pessoas saudáveis com resistências normais estão bem protegidas contra o Coronavírus. Quando estas pessoas contraem o vírus, normalmente não observam sintomas ou observam apenas sintomas leves. No entanto, também existem pessoas naturalmente menos bem protegidas devido a, por exemplo, outras doenças ou idade avançada. Neste grupo, o vírus pode causar sintomas mais graves.    

Os grupos mais vulneráveis são: 

  • Pessoas com mais de 70 anos; 

Pessoas que sofrem de uma das seguintes doenças:  

  • Doenças e distúrbios do aparelho respiratório e pulmões;  
  • Alterações cardíacas crónicas; 
  • Diabetes mellitus (diabetes); 
  • Doença renal grave com necessidade de diálise ou de transplante renal; 
  • Pessoas com menor resistência a infeções devido a, por exemplo:    
  • medicação para doenças autoimunes; 
  • transplante de órgãos; 
  • doenças do sangue; 
  • tratamento de problemas imunológicos (congénitos ou que tenham surgido mais tarde); 
  • quimioterapia ou radiação em pacientes com cancro; 
  • uma infeção de HIV. 

Se pertencer a um grupo de risco deve evitar o contato com outras pessoas. Mantenha-se o mais possível em casa e evite de todo o contacto com pessoas constipadas ou com gripe. Contacte um médico se tiver febre (38o ou mais) e constrição pulmonar ou dificuldade em respirar. 

Como posso evitar contrair o Coronavírus?  

Poderá tomar várias medidas para reduzir a possibilidade de contrair o vírus. Respeite em particular as recomendações gerais da DGS: 

  • Evite ao máximo o contacto com outras pessoas. Limite o contato social e mantenha uma distância mínima de um metro e meio nas lojas; 
  • Lave as mãos regularmente; 
  • Tape o nariz e a boca com a parte interior do cotovelo quando espirrar ou tossir. Isso impedirá que o vírus entre em contacto com as mãos, evitando assim infetar superfícies (como maçanetas de portas) ou outras pessoas (tocando-lhes); 
  • Use lenços de papel para se assoar, deite de imediato o lenço de papel no lixo e lave as mãos em seguida. 

Além disso, é importante manter uma boa resistência. Deve descansar bastante, alimentar-se de forma saudável e tentar fazer exercício regularmente. Com um suplemento alimentar, poderá compensar uma possível carência vitamínica. 

O que é possível fazer contra o vírus?   

Tem sintomas do vírus apesar de todas as precauções? Desde que os sintomas não sejam graves, poderá tratar a infeção como uma constipação ou gripe comuns. Alguns produtos de farmácia podem diminuir os sintomas e, além disso, um estilo de vida saudável ajuda à recuperação do organismo.  

Algumas sugestões:  

  • Os analgésicos diminuem a febre e aliviam as dores. De preferência, use paracetamol uma vez que este analgésico provoca menos efeitos secundários;    
  • Os sprays nasais descongestionam o nariz entupido. Tente inicialmente uma solução salina; esta pode ser usada durante um longo período, mesmo pelas crianças. Os sprays nasais à base de outros medicamentos apenas podem ser usados durante alguns dias; 
  • Os xaropes e rebuçados para a tosse acalmam a garganta e inibem a tosse. Os rebuçados de alcaçuz também podem oferecer alívio temporário; 
  • Beba água suficiente e faça uma dieta saudável e variada; 
  • Descanse o suficiente; o seu organismo necessita de muito repouso neste momento. 

Além disso, é importante evitar o contato com outras pessoas enquanto tiver sintomas. Desta forma, reduz a possibilidade de infetar outras pessoas com o vírus. Fique em casa e tente manter-se afastado dos restantes habitantes da casa. Troque e lave regularmente toalhas, panos da louça e roupas de cama. Quando já não tiver sintomas durante pelo menos um dia, pode partir do princípio que já não contagia os outros.  

No entanto, desde que não tenha feito um teste para verificar se foi infetado pelo Coronavírus, também pode ter tido uma gripe comum. Por isso, mesmo depois de já ter tido sintomas semelhantes à gripe, deve continuar a respeitar as recomendações gerais relativas ao Coronavírus (manter a distância, limitar os contatos sociais, espirrar no cotovelo, lavar as mãos). 

Quando devo contactar um médico devido a sintomas de Coronavírus? 

Se as queixas se tornarem mais graves, pode ser necessário consultar um médico. Deve fazê-lo de qualquer forma se se sentir cada vez mais doente, com constrição pulmonar e dificuldade em respirar. As pessoas dos grupos de risco (com 70 anos ou mais, pessoas com doença crónica ou com defesas enfraquecidas) devem contactar um médico se tiverem febre combinada com tosse ou dificuldade em respirar. O doente deve manter-se em casa e contactar um médico por telefone; se necessário, o médico visitará o doente em casa; 

Quais são os tratamentos para o Coronavírus? 

Se não estiver doente, mas for portador do vírus (ou se existir grande possibilidade disso), por exemplo, porque esteve em contato com alguém que tem (teve) Coronavírus, deve ficar de quarentena em casa. Isto significa que deve ficar em casa durante 14 dias a partir do dia da possível contaminação. Isto minimiza a possibilidade de transmissão do vírus a outras pessoas. 

Se tiver sintomas mas não estiver muito doente, também deve ficar em casa. Apenas as pessoas com sintomas graves são por vezes internadas no hospital. Ficar em casa devido ao vírus significa que deve estar isolado: não deve sair até que esteja completamente curado e não possa transmitir o vírus a outras pessoas. Apenas poderá partir do princípio que está curado e que já não constitui uma fonte de contágio quando não observar quaisquer sintomas durante pelo menos 24 horas. 

Que medicamentos existem contra o Coronavírus? 

Atualmente não existe qualquer medicamento oficial para o tratamento do Coronavírus. Embora diversos laboratórios estejam a trabalhar arduamente para conseguir uma vacina, ainda não existe solução à vista. Prevê-se que dure ainda muitos meses até que seja desenvolvida uma vacina contra o Coronavírus. 

No entanto, os médicos podem combater os sintomas do Coronavírus com medicamentos existentes, como os medicamentos contra a febre e anti-inflamatórios. Estão também a ser realizadas experiências com outros medicamentos, como a cloroquina, um medicamento contra a malária. Este medicamento parece acelerar a recuperação dos pacientes com Coronavírus. Isto aplica-se também a alguns inibidores virais, como por exemplo:

  • O medicamento contra a malária; Cloroquina 
  • Remdesivir; inibidor de vírus
  • Plaquenil; medicamento anti-inflamatório também usado em distúrbios reumáticos
  • Hidroxicloroquina; agente contra doenças auto-imunes
  • Ritonavir/Lopinavir; antivíricos contra as infecções pelo HIV 

Estes inibidores virais mostraram ter um efeito positivo nos Coronavírus SARS e MERS e parecem também ser uma solução possível para o COVID-19. 

Utilização de cloroquina contra o Coronavírus 

Os médicos apenas utilizam o medicamento contra a malária cloroquina e o inibidor viral Remdesivir em casos muito graves de doentes nos cuidados intensivos. Isto porque ainda não foi comprovado que estes medicamentos funcionam realmente no caso do Coronavírus. Neste momento, estes medicamentos estão a ser sujeitos a testes intensivos em laboratório. No entanto, para comprovar realmente a sua eficácia, estes medicamentos também têm de ser extensivamente testados em seres humanos.  

Embora os resultados sejam promissores, atualmente não é possível ao público em geral usar inibidores virais e cloroquina como medicamento contra o Coronavírus. A cloroquina mantém-se obviamente disponível como medicamento anti-malária. 

Que tratamentos alternativos existem? 

Atualmente não é possível fazer muito mais do que combater os sintomas do vírus. Aguarda-se ainda um medicamento oficial contra a COVID-19. É possível que a cloroquina se revele o medicamento para o combate ao Coronavírus, mas os cientistas poderão também descobrir outro medicamento. Neste momento, os funcionários do setor da saúde estão a ser vacinados com uma antiga vacina contra a tuberculose no âmbito de um teste de proteção contra o vírus. Aguarda-se uma vacina que possibilite a proteção preventiva contra este vírus mas, de acordo com os especialistas, isso demorará ainda um ano e meio.  

Enquanto isso, podemos diminuir ao máximo a propagação do vírus, respeitando todas as medidas de higiene. Desta forma, estaremos também a proteger os grupos mais vulneráveis ​​da nossa sociedade. 

Referência da fonte

de Visser, E. (2020, 19 de março). Experimenteel medicijn beschikbaar voor coronapatiënten. [Medicamento experimental disponível para pacientes de Coronavírus.] Consultado a 19 de março de 2020, de https://www.volkskrant.nl/wetenschap/experimenteel-medicijn-beschikbaar-voor-coronapatienten~b0b975f8/  

Fang, L., Karakiulakis, G., & Roth, M. (2020). Are patients with hypertension and diabetes mellitus at increased risk for COVID-19 infection? [Os pacientes com hipertensão e diabetes correm maior risco de infeção com COVID-19?] The Lancet Respiratory Medicine. https://doi.org/10.1016/s2213-2600(20)30116-8  

Keulemans, M. (2020, 20 de fevereiro). Het middel tegen het coronavirus bestaat misschien al lang. [O medicamento contra o Coronavírus talvez já esteja disponível há muito tempo.] Consultado a 19 de março de 2020, de https://www.volkskrant.nl/wetenschap/het-middel-tegen-het-coronavirus-bestaat-misschien-al-lang~b27d1816/?referer=https://www.google.com/  

Nederlands Huisartsen Genootschap [Associação Holandesa de Clínicos Gerais]. (2020, 18 de março). Ik denk dat ik het nieuwe coronavirus heb [Penso que tenho Coronavírus] | Thuisarts. Consultado a 19 de março de 2020, de https://www.thuisarts.nl/nieuw-coronavirus/ik-denk-dat-ik-nieuwe-coronavirus-heb#ik-heb-klachten-wat-nu  

RIVM. (2020, 18 de março). Nieuw Coronavirus (COVID-19). [Novo Coronavírus (COVID-19).] Consultado a 19 de março de 2020, de https://www.rivm.nl/coronavirus/covid-19  

RIVM. (2020, 18 de março). Vragen & antwoorden nieuw coronavirus (COVID-19). [Perguntas e respostas sobre o novo Coronavírus (COVID-19).] Consultado a 19 de março de 2020, de https://www.rivm.nl/coronavirus/covid-19/vragen-antwoorden#eigengezondheid 

RTL Nieuws. (2020, 18 de março). Hoe weet je of je het coronavirus al hebt gehad? [Como saber se já tive o Coronavírus?] Consultado a 19 de março de 2020, de https://www.rtlnieuws.nl/nieuws/nederland/artikel/5061301/corona-update-coronavirus-testen-vraag-genezen-covid

Avaliado por:

Dr. Wouter Mol, Médico de medicina geral
Número de registo: BIG: 9057675501

O dr. Wouter Mol estudou medicina na Universidade de Groningen, nos Países Baixos. De 2002 a 2003 foi assistente de neurologia e de 2003 a 2005 trabalhou como assistente de medicina interna e atendimento de emergência. O dr. Wouter Mol trabalha como médico de medicina geral desde 2005.